Site pornográfico ainda no ar

07/06/2007
Fonte: 
http://diariodonordeste.globo.com/materia.asp?codigo=440481
Autor: 
Da Redação
Veículo de Imprensa: 
Veículo Nacional

Apesar da rigorosa ação da Polícia cearense, as imagens de garotas cearenses continuam disponíveis na internet

Duas semanas após a Polícia Civil do Ceará ter desarticulado uma rede de pedofilia na internet, através de um site pornográfico montado em Fortaleza, o internauta pode ainda acessar o material criminoso. O Diário do Nordeste comprovou que site investigado continuava no ar até a noite passada, muito embora as autoridades policiais locais tenham afirmado que haviam tomado as devidas providências legais para retirá-lo da rede.

A constatação aconteceu apenas um dias depois que a Polícia Civil concluiu o inquérito sobre o caso e o remeteu à Justiça, indiciando o dentista cearense, Antônio Augusto de Araújo Lima, como sendo o principal implicado no caso. Augusto continua preso, preventivamente, à disposição da Justiça.

Segundo a Polícia, o dentista era o responsável pelo aliciamento de crianças e adolescentes para serem fotografadas e filmadas em poses sensuais ou sendo alvo de atos obscenos. O material pornográfico era, então, cuidadosamente editado e colocado no site. As imagens eram vendidas aos usuários da rede de computadores em todo o Mundo, por preços cobrados em dólares, através de site ‘hospedeiro’ americano.

Implicados

Mas, além do dentista, outras quatro pessoas foram investigadas, indiciadas e tiveram prisão preventiva decretada pela juíza Maria Ilna de Castro, titular da 12ª Vara Criminal de Fortaleza. Entre os acusados, a própria mãe do dentista, Aíla Maria Moreira Lima. Também foram presos: Márcia Maria Aguiar da Silva (sogra do dentista), o companheiro dela, Francisco Rui Moreno; e a maquiadora Nadir Galvão de Oliveira, conhecida por ‘Cínthia’.

Nas investigações realizadas pela delegada Ivana Timbó, titular da Delegacia de Combate aos Crimes de Exploração Contra a Criança e o Adolescente (Dececa) ficou comprovada a participação de cada um dos implicados.

Aíla Maria, mãe do dentista, seria a pessoa que pagava gorjetas as meninas para que estas fossem filmadas ou fotografadas. O casal Márcia e Francisco Rui atraía as garotas em bairros pobres e favelas, fazendo, inclusive, o transporte delas até a casa do dentista, em Messejana, onde as sessões de fotos e filmagens aconteciam no próprio apartamento de Antônio Augusto.

Já ‘Cínthia’, fazia seu trabalho de maquiadora, tratando do visual das crianças e adolescentes para que estas aparecessem nas imagens como se fossem verdadeiras modelos. As vítimas recebiam, além de dinheiro, aparelhos ortodônticos e também books. As informações sobre como o grupo agia ficaram claras nos quase 40 depoimentos tomados pela delegada Ivana no decorrer das duas últimas semanas de investigação na Dececa.

Implicados

Para chegar ao esquema de pedofilia, a Polícia Civil, através de seu Departamento de Inteligência Policial (DIP), trabalhou em absoluto sigilo durante cerca de três meses. O trabalho foi acompanhado, com absoluta exclusividade, pelo Diário do Nordeste, que, no entanto, decidiu só publicá-lo após a Justiça ser comunicada do fato e expedir os respectivos mandados de busca e apreensão e prisão dos implicados.

Na casa que servia de ‘estúdio’ para a produção do material pornográfico, a Polícia recolheu um farto material que ainda está sendo analisado pelos peritos do Instituto de Criminalística (IC).

Até mesmos as roupas de cunho erótico e fantasias que as meninas vestiam para ser fotografas e filmadas foram encontradas no apartamento do dentista. São as mesmas peças com as quais as garotas aparecem nas imagens que podem ser vistas no site americano.

A investigação da Polícia ficou encerrada na última terça-feira, quando a delegada Ivana Timbó assinou o relatório final das diligências e individualizou a participação de cada um dos indiciados no esquema de pedofilia internacional.

Ontem à noite, a reportagem tentou ouvir a delegada Ivana Timbó acerca do funcionamento do site, mas as ligações encaminhadas ao telefone celular caíam na caixa postal.

JORNALISMO INVESTIGATIVO

Diário acompanhou a investigação sigilosa

Do início das investigações ao seu fechamento, com a apreensão do material e a prisão dos acusados, foi um trabalho paciente da Polícia Civil do Ceará, especialmente, dos inspetores do Departamento de Inteligência Policial (DIP), tendo no comando o delegado Francisco Alves de Paula.

Com a autorização da Justiça, os policiais ‘compraram’ o conteúdo pornográfico disponibilizado para os internautas e, então tiveram a dimensão da gravidade do caso. Garotas com idades entre 10 e 15 anos, eram aliciadas pelo dentista e seus cúmplices para serem fotografadas e filmadas em poses insinuantes ou mesmo sendo alvo de atos libidinosos praticados por adultos.

Ao examinar o material, um dia depois da apreensão na casa do dentista, a delegada Ivana Timbó teve a seguinte reação: “São imagens aviltantes, humilhantes. As pessoas envolvidas nisso talvez pensassem que nunca seriam descobertas.” A indignação da delegada foi a mesma de centenas de leitores do Diário do Nordeste , que encaminharam e-mail relatando o que sentiram ao ler a reportagem exclusiva sobre o assunto.

Sigilo

O fato também ganhou repercussão na Assembléia Legislativa do Estado e na Câmara Municipal de Fortaleza. Deputados estaduais e vereadores se manifestaram diante dos fatos e elogiaram o comportamento do jornal em acompanhar o desenrolar da investigação e só decidir publicá-lo quando a operação da Polícia fosse concluída, sem qualquer prejuízo para o inquérito. Dois dias depois, o dentista teve a prisão preventiva decretada.